sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Saturação


 

Existem várias definições para "saturação" e "saturado", mas nenhuma define o que cada um sente, quando os dias são passados a ouvir lamentações, queixas, reclamações, negatividade e discursos "tóxicos", que nada acrescenta ao ser humano. 

Aliás ao invés, alimenta uma nuvem negra de trevas que se avoluma nas nossas mentes, sugando-a, matando-a aos poucos, alimentando a ansiedade, o nervosismo e o stress. 

Acrescendo a isso, a inércia, a inactividade, a passividade. 

Bom isso é realmente saturante e absorve a positividade e a paz da alma mais paciente e compreensiva. 

Vivemos num mundo de "lamentações" de cretinice, de "garotos adultos", que reclamam mas nada fazem para resolver um problema. 

Em cada problema não buscam a solução mas tão só outro problema. 

Tudo tem solução, menos a morte terrena. - A esse respeito talvez faça bem a muitos de nós ir ao funeral de um amigo ou um conhecido, contactando directamente com a morte, para recebermos um banho de humildade e de pequenez, talvez assim se valorize mais a vida e os momentos!

Uma sociedade, onde "muitos" (ou alguns) nada fazem, criticam os que fazem e ainda querem ser reconhecidos por nada fazer e criticar quem faz!

Assim se vive nos dias de hoje! 
Bem-vindos ao mundo da hipocrisia.


João Salvador - 09/02/2018

sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

Passa o dia a reclamar?

Passa o dia a reclamar?
Desiste à primeira contrariedade?
Foge dos problemas?
Acha que essas atitudes o fazem singrar na vida? Naturalmente que não. Os nós devem ser desatados. Só assim alcançamos aquilo que almejamos na vida! Não espere que as coisas lhe caiam de bandeja! Lute por aquilo que quer!


terça-feira, 21 de novembro de 2017

Jogo de cartas versus valores humanos



Acordei hoje a pensar na analogia entre um baralho de cartas e os valores humanos. Por incrível que me possa parecer, entendo que os sentimentos estão baralhados, os valores trocados e o politicamente correto é o certo (pelo menos é para lá que caminha o rebanho de tontos), mas talvez devesse ser o errado!
Vejamos alguns exemplos: antigamente a frontalidade era vista no ser humano, com naturalidade, como fundamental, com respeito e acima de tudo como um valor basilar nas relações interpessoais. Hoje ser frontal dá direito a ser escamoteado, arredado, ignorado, desacreditado!
Ser humilhe era também em tempos um valor muito apreciado, este a par com a honestidade, a verdade, a lealdade e a honra. Hoje ser humilde é muitas vezes ser visto como “parvo”, como “lorpa”, como um asno.
Ser honesto então, bom isso é ser “burro”, pois o que está a dar é ser chico-esperto e lambe-botas!
Remar contra a maré é hoje para os fortes de carácter, os inconformados, com esta sociedade decrepita e desacreditada, onde grassa o compadrio, o conhecimento e não o mérito e o esforço!
Bom e que dizer da lealdade? O que é afinal ser leal? Fazer tudo o que alguns pensam ser o melhor, o correto, não ser contestado? Lealdade é de facto e acima de tudo respeito, acompanhar com verdade, com palavra, com honra aquele que nos merece essa lealdade.
Não admitamos faltas de lealdade, facadas nas costas – muitas vezes provenientes dos mais improváveis!
Não isso não, melhor respirar outros ares a viver confinado a uma jaula de hipocrisia.
Liberdade e paz, é algo que não se paga, mas sim que se conquista. Conquista-la nesta sociedade de pessoas tóxicas, inconformadas, que passam a vida a reclamar da vida, de tudo e de todos, não é fácil, mas é urgente e necessário, pelo que devemos lutar por isso, caso contrário, a nossa saúde mental é afetada.
Voltando às cartas, muita coisa se baralha nesta vida. Dá-se uma carta, recebe-se outra, perde-se uma jogada, ganha-se outra. As amizades hoje em dia são como o rumo do jogo, dependem da sorte, da perspicácia em avaliar as amizades que realmente valem a pena e nos fazem bem!
Troca-se hoje de amigos, de amores, como quem descarta uma carta, ou muda de roupa …
Em boa verdade amizades e valores, que valem eles hoje? Nada! Valem “merda nenhuma” (desculpem o vernáculo), o que vale é a ascensão nas carreiras, na vida, ainda que pisando amigos, conhecidos, seja quem for … o mérito esse não vale um chavo!
Os relacionamentos, nascem e morrem como os cogumelos, as sementes são efémeras e de fraca qualidade … amorfas!
Enfim, a vida é hoje um jogo de cartas, onde os valores humanos valem menos que isso …


João Salvador - 21/11/2017



quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Respeito - Valor basilar da convivência humana


O respeito é uma pedra basilar na convivência humana. Deve seguramente estar sempre de mãos dadas com o amor e a partilha de afectos e sentimentos. 
Esses valores são mais importante, quanto a vida vai seguindo o seu curso, os cabelos vão ficando grisalhos e as rugas vão aparecendo. É nessas alturas que aqueles que nos deram o ser, que criaram a sua prol, bem ou mal, mas da melhor forma que podia e sabia, precisam da reciprocidade, do amor da dos filhos, da família, dos amigos, do reconhecimento da sociedade!
Aqueles que partilham o nosso sangue (e não só), devem ser acarinhados. Reparem no sorriso fácil, na emoção dos vossos pais, tios e até amigos ou desconhecidos quando recebem um carinho, uma palavra de afecto, um mimo ... o dia resplandece, o sol brilha, a alegria contagia. A partilha faz viver ... reviver, erguer, enfrentar conquistar, ainda que "apenas" mais um dia!
A vida vai levando aqueles que amamos, num destino que não controlamos, a um ritmo controlado pela natureza e contra a qual nada podemos. Dessas partidas restam as memórias, os momentos partilhados e tantas vezes revividos com saudade. Enquanto a vida permitir uma réstia de vida nos nossos corações, vivamos conscientes que a melhor forma de deixar a nossa pegada é amando, partilhando, regando os sentimentos ...
Meus amigos, tenho em mim um enorme orgulho por partilhar os valores que me foram transmitidos pelos meus progenitores, familiares e amigos. 
Um desses bens maiores, é o respeito e o amor pelos mais velhos.
O respeito pelos mais velhos é uma forma de poesia, é um todo, é serenidade, é paz, é amor, partilha, sentimento ... é uma pedra basilar de uma sociedade humanizada!


João Salvador - 01/11/2017

Crónica de uma dor anunciada



Nada apaga a dor, a angústia, o vazio de perdermos tudo aquilo que conseguimos com o nosso suor. 
Uma faca espetada no peito, que dilacera o coração, por mais forte que seja, quando seres humanos são ceifados pelo Inferno das chamas.
Um grito de revolta, quando as elites, lavam as mãos como Pilatos ... hipócritas, desumanos, rossando atitudes nojentas! 
Afinal para que servem? Apenas para servirem os seus interesses?
Abandonam o povo à sua sorte!
Muito tem que mudar na consciência cívica dos portugueses ...
Acima de tudo mudar mentalidades, dar o exemplo de civilidade, exigir responsabilidades efectivas.
Exigir uma justiça dura para todos os agentes políticos corruptos e seus corruptores ...

"A tristeza é uma janela que se abre nas traseiras do mundo."
-Mia Couto- 😢